A importância da saúde mental

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que a saúde mental é uma prioridade, uma vez que os problemas psíquicos e socio-emocionais estão a aumentar de forma significativa.

14 JAN 2021 · Leitura: min.

PUBLICIDADE

A importância da saúde mental

Existem atualmente 300 milhões de pessoas a sofrer de depressão em todo o mundo, constituindo uma das principais causas de aposentação por invalidez. É já a doenças mais incapacitantes do século XXI e o maior fator de risco de suicido.

Estima-se que a depressão e a ansiedade custam 1 bilião de euros à economia mundial em perdas no trabalho e na produção, sem mencionar os custos associados aos tratamentos ou às perdas em termos de qualidade de vida e integração social. Deste modo, a OMS salienta a saúde mental no local de trabalho, referindo que as empresas que investem em iniciativas que promovam a saúde mental e apoiem os colaboradores conseguem ganhos significativas não só ao nível da saúde mental e do bem-estar, como também ao nível da produtividade. A necessidade de intervenção nas situações patológicas mais graves é indiscutível. Bem como a prevenção e a intervenção precoce. Porque "um dia mais é um dia menos", não adie a sua saúde mental, podemos ajudar!

Apesar de ser cada vez mais reconhecida a relevância da saúde mental, esta é ainda vista com preconceito e estigma, sendo mais difícil para as pessoas reconhecerem e abordarem problemas psicológicos do que doenças de outros tipos, como por exemplo o cancro ou um problema cardíaco. O preconceito acontece porque existe um grande desconhecimento sobre os processos e os problemas psíquicos, estes são muitas vezes invisíveis e silenciosos (não se veem como um braço partido. Existe, também, a ideia generalizada de que são "apenas fases" ou que "vai passar" se não se pensar e não se valorizar o assunto.

O preconceito e a subvalorização da saúde mental tende a acontecer também ao nível das instituições de saúde e dos órgãos políticos, uma vez que valorizam essencialmente os aspetos patológicos mais graves e extremos desqualificando aspetos como o bem-estar, o desenvolvimento pessoal e a prevenção. Contudo, a saúde mental é transversal à vida do individuo, afeta a capacidade laboral, a capacidade de participação na vida social e económica mas também a capacidade de tirar partido da vida, atualizar e desenvolver o potencial e a criatividade de cada um; de construir um percurso de vida satisfatório e com sentido pessoal. Supere o preconceito, cuide de si!

PUBLICIDADE

Escrito por

Daniel Figueiredo Psicólogo

Ver perfil
Deixe o seu comentário

PUBLICIDADE

últimos artigos sobre atualidade