Como superar a dependência emocional

Pensa que não podes viver sem o teu parceiro e que tua vida gira em torno dele? Cuidado! Pode ser um sinal de dependência emocional.

23 OUT 2020 · Leitura: min.

PUBLICIDADE

Como superar a dependência emocional

A dependência emocional pode facilmente ser confundida com o amor, uma vez que é normal criar uma forte ligação emocional com quem nos interessa. Contudo, quando alguém sente que não poderia viver sem a outra pessoa e manifesta um apego extremo, é provável que seja um caso de dependência emocional. Este tipo de dependência é comum em casais, mas também ocorre em relações de amizade e de familia.

Na relação de casal, o dependente emocional se anula por completo. Abandona os planos profissionais, os amigos, os valores, seus passatempos, seus gostos e seus sonhos. Passa a satisfazer todos os desejos do outro porque têm a ideia errada de que esta é a única maneira de não ser abandonado.

Segundo Walter Riso, psicólogo e autor do livro Guia Práctica Para Vencer A Dependência Emocional, a grande maioria destas pessoas comporta-se dessa forma porque confundem dependência com amor

Estas pessoas têm a ideia absurda de que amar é viver exclusivamente para o outro, é mudar sua essência para fazer o ser amado feliz. (...) Mas a verdade é que no amor saudável não há lugar para resignação ou martírio. Se tiveres de anular-te para receber amor do teu parceiro, ou estás a levar tua relação muito mal ou estás com a pessoa errada. Walter Riso

Estar emocionalmente dependente do parceiro é uma condição triste que está muitas vezes relacionada com o tipo de apego que a pessoa teve com os seus pais durante a infância. Quando o apego é inseguro e as necessidades emocionais da criança não são satisfeitas, a criança cresce com uma enorme lacuna emocional. Quando adulta, ela provavelmente terá baixa autoestima, será incapaz de reconhecer o seu valor e colocará todas as suas expectativas sobre o seu companheiro. 

Como superar a dependência emocional

O primeiro passo para vencer a dependência emocional é reconhecer que estas nesta condição. Os principais sinais em que um dos dois é emocionalmente dependente são:

  • Incapacidade de abandonar a relação, apesar de saber que está infeliz.
  • Medo de estar só.
  • Não encontrar tempo para estar com os amigos ou familiares porque está constantemente com o seu parceiro.
  • Estar sempre preocupado com a estabilidade e o futuro da relação.
  • Necessidade de constantes provas de amor.
  • Medo de decepcionar o parceiro.
  • Incapacidade de desfrutar de momentos de solidão.
  • Baixa autoestima.
  • O estado de espírito da outra pessoa afecta significativamente a forma como se sente.
  • Ciúmes e possessividade. 

Ter independência emocional não é deixar de amar, mas ser fiel aos próprios princípios. É saber que a outra pessoa não é responsável pela nossa felicidade ou pelo caminho que decidimos seguir. É saber que é possível ter uma vida equilibrada e feliz como casal sem deixar de se valorizar individualmente.

Não há amor suficiente capaz de preencher o vazio de uma pessoa que não ama a si própria. Irene Orce.

Se te sentes viciada no teu parceiro, mas gostarías de superar a dependência emocional para viver uma relação mais saudável, veja às dicas abaixo: 

1. Avalia a relação

Tenta analisar calmamente se vale a pena ficar juntos, se a sua relação realmente é feliz. Não aceites estar com alguém apenas por medo de estar sozinha. Se achas que o teu parceiro não aceitará ter um relacionamento mais equilibrado, talvez seja melhor rompre o relacionamento. A vida não acaba aí e certamente conseguirás seguir em frente sem esta pessoa.

2. Começa a tomar conta da sua vida

As pessoas que não têm a autoestima elevada ou que não têm a certeza de como cuidar de si próprias emocionalmente costumam colocar todas as suas expectativas no parceiro. Com isso, perdem o poder de decisão e deixam de preservar a autosuficiência. Estar mais atenta às tuas próprias necessidades requer prática e mudanças na forma como actuas. Pouco a pouco, foca nos teus interesses pessoais para equilibrar melhor as outras áreas da tua vida. 

Cuida de ti mesma, reconheça que as tuas necessidades são importantes e não se irão desaparecer se são negligenciadas. Muitas vezes, a dependência emocional é o resultado dessa negligência.  

3. Tenha uma visão realista do outro

Alguém emocionalmente dependente costuma colocar o parceiro em um pedestal, perdendo a capacidade de vê-lo como um ser humano. Com isso, é muito provável que assumas uma posição de inferioridade. Saber reconhecer as fraquezas e qualidades do teu companheiro é fundamental para começar a equilibrar a vida a dois. Não te esqueças que a tua opinião, os teus gostos e as tuas expectativas também devem ser valorizados.

4. Deixa o passado para trás

Podemos (e devemos) aprender com o nosso passado, mas trazer as nossas frustrações, medos e problemas do passado para o presente impede-nos de viver intensamente o presente. Evita julgar e ser tão crítica em relação às suas decisões passadas e compreendas que agiu da melhor forma possível com base nos conhecimentos que tinha naquela época.

E se sentes que não consegue svirar a página, talvez a melhor coisa a fazer seja procurar ajuda de um psicólogo para aceitar melhor as experiências vividas.

Reflexão Final

Conquistar a independência emocional não é deixar de amar, mas sim amar sem se anular. É partilhar tua vida com alguém, mas seguir em frente com os teus objectivos, respeitando espaços, valores e modo de ser de cada um. 

Se a relação a limita ou se o medo de estar sozinha é maior do que as suas necessidades individuais, então o que sente não é amor.

PUBLICIDADE

Psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.pt

Bibliografia

Lori Rentzel, Emotional Dependency; Exodus International (1984). 

Gilbert, Lucia Albino, Female And Male Emotional Dependency And Its Implications For The Therapist-Client Relationship. Professional Psychology: Research and Practice, 18(6), 555–561.

Harvard Medical School, Dependent Personality Disorder: https://www.health.harvard.edu/newsletter_article/dependent_personality_disorder

Deixe o seu comentário

PUBLICIDADE

últimos artigos sobre terapia de casal