Quando o ciúme passa a ser doença?

Todos temos medo de perder alguém que amamos e por isso sentimos ciúmes, mas quando ele passa a ser patológico devemos buscar ajuda e tratá-lo.

20 OUT 2020 · Leitura: min.

PUBLICIDADE

Quando o ciúme passa a ser doença?

O ciúme é um sentimento que normalmente surge quando nos sentimos ameaçados de perder alguém querido. Embora seja mais comum ocorrer nas relações de casais, podemos ter ciúmes de amigos e de familiares. Em doses pequenas, é uma emoção normal que pode acometer qualquer ser humano. Certamente, todos já passamos ou iremos passar por alguma situação que nos deixa com ciúmes. 

O ciúme inofensivo geralmente é passageiro e ocorre devido a acontencimentos reais. É um sentimento que não prejudica a vida de ninguém. Algumas pessoas dizem inclusive que esse tipo de ciúmes apimenta a relação. Contudo, quando esse medo da perda se transforma em uma obsessão e gera uma necessidade exagerada de controlo, falamos de ciúme patológico. 

Sintomas do ciúmes patológico

Em uma relação de casal, quem sofre de ciúme patológico suspeita frequentemente que o seu parceiro é infiel. Devido às dúvidas, a pessoa ciumenta fica muito possessiva e começa a apresentar os sintomas do distúrbio. Os principais deles são: 

  • Agressividade e/ou ansiedade.
  • Insegurança.
  • Pensamentos permanentes ligados à infidelidade. A pessoa ciumenta acredita constantemente que está a ser enganada. Se, por exemplo, um dia o seu parceiro fala que tem de ficar até tarde no trabalho, então ela imaginará que esta é uma desculpa para encontrar com a sua amante.
  • Sempre expressar desconfiança.
  • Sentimento de posse em relação ao outro.
  • Acusar o outro de olhar ou prestar atenção em outras pessoas.
  • Retaliação quando se nota que a outra pessoa quer manter a sua individualidade e que tem outros interesses fora da relação.
  • Sentir ciúmes do passado do parceiro.
  • Não ter dúvidas sobre a infidelidade do parceiro, mesmo quando não há motivos.
  • Querer sempre saber onde e com quem o outro está ou com quem está a falar. Não deixar espaço para a pessoa manter a sua liberdade e autonomia.
  • Tentar isolar o outro dos seus amigos e família, exigindo atenção exclusiva.
  • Buscar provas de infidelidade. Olhar sem consentimento o telemóvel, e-mails, redes sociais, carteira e roupa do parceiro.
  • Recorrer à agressão verbal e/ou física quando acredita ter encontrado provas de infidelidade.

Segundo um estudo britânico, o ciúmes é responsável por 17% dos homicídios no Reino Unido. 

Como se pode ver, estar com alguém que sofre de ciúme patológico é muito exaustivo, podendo inclusive ser perigoso. O ciumento é incapaz de racionalizar e ver que seu medo é infundado. Quando não é tratado, o elevado nível de possessividade acaba por destruir a relação. 

O perfil do ciumento patológico

As pessoas que sofrem de ciúmes patológico normalmente tem baixa autoestima, são afectivamente dependentes e têm um grande medo da solidão. Além disso, elas têm complexo de inferioridade, ou seja, se comparam o tempo inteiro com os outros e acreditam que não estão à altura. 

O complexo de inferioridade tem geralmente origem na infância ou adolescência e muitas vezes surge por razões mínimas. Por exemplo, ser mais alto ou mais baixo que outros, ser tímido ou inteligente. Há casos em que a origem é familiar. Se os pais forem muito exigentes ou fizerem muitas recriminações, isto pode deixar consequências psicológicas. Noberto Abdala, psiquiatra. 

Como conseguir controlar o ciúmes

Segundo os psicólogos, algumas estratégias podem ajudar a controlar  o ciúme. Entre elas, podemos destacar:

  • Evita negar o sentimento e procurar desculpas para justificar um comportamento ciumento.
  • Tenta analisar a situação com alguma distância e pergunta-te se os motivos dos ciúmes são realistas ou não.
  • Evita distorcer a realidade e procurar provas de infidelidade.
  • Concentra tua energia no que é bom na relação e em como melhorá-la. Para de se comparar com "potenciais rivais".
  • Trabalha tua autoestima. Cuida-te muito e faça actividades agradáveis.
  • Fortaleça tua vida pessoal. Isso pode te ajudar compreender que o outro não te pertence e que mesmo juntos cada um deve ter os seus próprios objectivos e sonhos.
  • Busca ajuda de um psicólogo se notares que o seu ciúme é patológico. Isso te ajudará a descobrir as causas do te ciúme e a mudar a forma te relacionar. 

PUBLICIDADE

Psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.pt

Bibliografia

O. Somasundaram, (2010). Facets of Morbid Jealousy: With an Anecdote From a Historical Tamil Romance. Indian Journal of Psychiatry. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2990838/

M. Kingham; H. Gordon; (2004). Aspects of Morbid Jealousy. Cambridge Core. https://www.cambridge.org/core/journals/advances-in-psychiatric-treatment/article/aspects-of-morbid-jealousy/06CBB7BF78CC43C785AE6F7C0F0046C9/core-reader

Royal College of Psychiatrists, Morbid Jealousy: https://elearning.rcpsych.ac.uk/learningmodules/morbidjealousy.aspx

Deixe o seu comentário

PUBLICIDADE