5 sentimentos que se confundem com o amor, mas que não são

Muitas vezes a admiração, a gratidão ou o desejo criam fortes laços emocionais entre as pessoas. São sentimentos que parecem amor, mas não são.

28 OUT 2020 · Leitura: min.

PUBLICIDADE

5 sentimentos que se confundem com o amor, mas que não são

O amor é um sentimento poderoso e universal. Quando amamos, o mundo à nossa volta é transformado. Chegamos a sentir-nos tão vivos que tudo ganha outro significado. O amor é fascinante, livre e inspirador. É compromisso, é querer o bem-estar da pessoa amada e estar presente para a outra pessoa. Aqueles que amam respeitam a maneira de pensar, de ser e a individualidade do outro. Não competem, não são possessivos, egoístas ou ciumentos

O amor é a força mais humilde e a mais poderosa existente para os seres humanos. Mahatma Gandhi

Cada um de nós tem a própria concepção do que é o amor. Defini-lo não é fácil e, por isso, o amor é frequentemente confundido com outros sentimentos e emoções. A continuação, apresentamos 5 deles: 

1. Paixão

Pelo menos uma vez na vida, todos já confundimos amor com paixão. No entanto, existem muitas diferenças entre os dois. A paixão surge de forma inesperada e pode ser avassaladora. Quando nos apaixonamos por alguém, somos atraídos por características específicas da pessoa, tais como a sua fala e acções, os seus gestos, ou a sua aparência física.

A paixão é efémera,  está directamente relacionada com a atracção física ou emocional e muitas vezes é relacionada com a idealização do outro. O amor é um sentimento gradual, que cresce com o passar do tempo, com o aumento da convivência e da intimidade. Aqueles que amam não idealizam porque aceitam a outra pessoa com as suas qualidades e defeitos. O amor é calmo e tende a durar ao longo dos anos.

2. Desejo

O amor também pode ser confundido com desejo, mas são sentimentos diferentes. Pode-se amar e desejar o outro, mas quando só há desejo não é sinal de amor. O desejo está relacionado com um sentimento de posse ou com a vontade de ter domínio sobre alguém. Muitas vezes, aquele que deseja sente ciúmes. Além disso, o desejo tem uma forte ligação com a atracção física e sexual.

Por outro lado, aquele que ama não tem um sentimento de posse. Também não precisa do outro para viver ou para satisfazer a sua vontade. O amor é seguro.

3. Gratidão

Quando amamos, sentimo-nos gratos por termos alguém que nos dá afecto sem pedir nada em troca, que está ao nosso lado nos bons e maus momentos, que nos encoraja a crescer e a lutar pelos nossos sonhos. A gratidão faz parte do amor, mas não é amor como tal. O amor verdadeiro é constituído por muitos outros elementos como o romantismo, a cumplicidade e a tolerância. Além disso, amamos uma pessoa pelo que ela é e não pelo que ela nos dá em troca. 

4. Amizade

Outro sentimento que é frequentemente confundido com o amor é a amizade. Quando temos uma enorme afinidade com uma pessoa, a quem contamos os nossos segredos e partilhamos a nossa vida, é natural que tenhamos dúvidas se o que sentimos em relação a essa pessoa é amor ou amizade. Da amizade ao amor há uma linha ténue, mas há pequenos detalhes que fazem a diferença entre os dois.

Para que a amizade exista, ela deve ser recíproca. O amor nem sempre é recíproco. Podemos, por exemplo, continuar a amar um antigo namorado quando ele já não nos ama. A amizade é caracterizada por um grande apreço pela outra pessoa. Está intimamente relacionada com a afinidade. No entanto, amar uma pessoa como amigo não é o mesmo que desejá-la romanticamente.  Quando se trata apenas de amizade, o desejo e o interesse sexual não existem.

Além disso, quando se ama é natural traçar um plano de vida em comum, partilhar sonhos e também responsabilidades. Numa relação de amizade, cada um segue a sua vida de uma forma independente.

5. Admiração

A admiração também pode ser confundida com o amor. Aquele que ama, admira. A admiração é um sentimento que se traduz em respeito, consideração e veneração. A admiração precisa de uma razão concreta para existir. Podemos admirar o nosso chefe por ser um bom líder. Ou podemos admirar um escritor pela sua inteligência.

O amor vai além da admiração. Quando o sentimento é puro e verdadeiro, ama-se de uma forma integral. Em outras palavras, admiramos as virtudes da pessoa amada, mas também aceditamos seus pontos fracos. Amar é querer aprender com as virtudes do outro para crescer juntos.

PUBLICIDADE

Psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.pt

Bibliografia

Bell Hooks, All About Love: New Visions; William Morrow & Company (2018)

American Psychological Association, The Power of Love: https://www.apa.org/monitor/2019/06/power-love

Carrie Jenkins, What Love Is: And What It Could Be;  Basic Books (2017).

Deixe o seu comentário

PUBLICIDADE

últimos artigos sobre terapia de casal